Quem é Néfi Tales Filho?

A história viva de Guarulhos

Eu sou Néfi Tales, nascido em Ituverava, em 1º de agosto de 1960. Minha mãe era Laura de Castro Tales, e meu pai o saudoso Néfi Tales. Moramos na cidade de São Joaquim da Barra por um ano. Meu pai lecionava na cidade de Orlândia, tinha um sonho de estudar psicologia e passou no vestibular em São Paulo. Ele fazia essa viagem direto de Orlândia, Ribeirão Preto, a USP de São Paulo, e voltava para São Joaquim da Barra, onde morávamos, e eu e minha mãe o esperávamos todas as semanas.

Ele lecionou alguns anos como professor em Orlândia, mas chegou um certo ponto que não dava mais, e tivemos que mudar para São Paulo, onde viemos para Guarulhos, cidade onde eu resido há 59 anos e meio, porque vim com seis meses de lá. Fomos para uma casinha humilde, pois meu pai era um professor de primário na época, e ele, sempre muito esforçado, prestou alguns concursos, passou e começou a lecionar nas escolas estaduais de primeiro e segundo grau.

A primeira escola que ele esteve foi no Liceu Brasil, onde hoje é um museu, no Lago dos Patos, na Vila Galvão, e nós moramos numa casinha por ali. Passamos muitas dificuldades naquele tempo. Meu pai veio com “a cara e a coragem”, homem muito lutador, muito esforçado. Eu tinha um ano e meio e, quando chovia, eu e minha mão ficávamos em cima da mesa da cozinha porque a água batia, entrava e alagava nossa casa inteira.

Mas meu pai foi sempre um grande lutador e prestou concursos, passando como diretor estadual no colégio Torres Tibagy, onde foi diretor por alguns anos, sempre muito querido, e eu passei a estudar no colégio Vila Galvão, logo depois, no primário, transferido para o colégio Cerqueira César, junto à minha irmã, que já estava conosco, nascida em Guarulhos, e fomos estudar lá, onde hoje é o lago da Vila Galvão, onde tem o Museu de Artes, o colégio foi transferido um pouco mais para cima.

E com essas dificuldades todas, sempre trabalhando e batalhando, me lembro que tinha 8 anos e meu pai ingressou na vida pública e política, sendo um dos fundadores do Movimento Democrático Brasileiro naquela ocasião. Foi convidado por um grande amigo nosso que era o senhor Edgar Casal de Rei. E ali começou a história política do Néfi Tales, foi um dos fundadores do MDB, eu, jovem, com 8 anos, o acompanhava, e ele também muito jovem. Ele, como diretor, foi eleito o primeiro vereador do MDB em Guarulhos, em 1968. Eu já estava mais avançado no primário, e então nasceria a minha terceira irmã, a Isabel de Castro Tales.

Como ele tinha ansiedade de sucesso e de vencer na vida, continuou prestando os concursos estaduais, e conseguiu a vaga de diretor em um dos melhores colégios que ficou depois da passagem dele, que foi o colégio Conselheiro Crispiniano, onde eu e minhas irmãs estudamos, e logo depois nasceu a Patrícia Castro Tales, a mais nova, que hoje reside no interior de São Paulo, assim como a Isabel, ficando aqui em Guarulhos hoje a minha irmã Virgínia Castro Tales, que inclusive é professora municipal.

Continuei na vida pública e política como ele, eu sempre acompanhei, nós fazíamos campanha. Em 1974, já com um fusquinha vermelho, 66, o MDB o lança em Guarulhos como deputado estadual, e foi eleito pela grande massa de amigos, alunos e professores que o amavam muito. E eu ao lado dele, eu sempre com ele. Então, a nossa história foi sempre de muita luta para chegar e vencer.

Logo após isso, nós adquirimos um título no Clube Vila Galvão, onde conheci minha esposa, Fátima Regina Tales. Depois de 9 anos de namoro, nós nos casamos. Nesse tempo, o deputado já eleito e no cargo, Néfi Tales, se atira numa candidatura, em 1976, a prefeito de Guarulhos, onde tínhamos muitos candidatos porque era a chamada sublegenda, que somava voto com voto, era o bipartidarismo, e poderia somar as votações, por exemplo, da Arena, e votava o MDB, e o mais votado entrava. Por incrível que pareça, ele foi eleito com uma das maiores votações, na época, já adquirida em Guarulhos. Poderia somar todos os candidatos a prefeito, do MDB e da Arena, não dava a metade da votação dele. Continuamos essa história, estávamos no regime militar, muita dificuldade de trabalho, não era fácil.

Eu, então, já estava saindo da Uneep, onde fiz bacharel em Direito. Ele saiu em 1982 da Prefeitura, que foi um mandato de seis anos, e eu sempre assessorando ele. Prestei concurso em 1978, como Funcionário Público, sempre trabalhando e conseguindo as coisas com muita dignidade, graças a Deus. Em 1983, casei com a minha esposa, tivemos o Néfi tales Neto, um dos nossos orgulhos, e logo após também tivemos o Daniel Cânfora Tales. Os dois nascidos em Guarulhos, no hospital Carlos Chagas.

Em 1996, o Néfi Tales concorreu a Prefeitura de Guarulhos novamente, e para nossa surpresa, ele foi eleito com 78,2% dos votos. Ali foi uma grande alegria, pois continuávamos a fazer um trabalho na cidade, como já tinha feito na sua primeira gestão, que foi o Bosque Maia, a Guarda Municipal, o Aeroporto Internacional de Guarulhos, todas as praças e áreas verdes da cidade, os prontos-socorros 24 horas e todas as leis que beneficiaram os funcionários públicos.

Na segunda gestão dele conseguimos fazer um grande trabalho de um ano e meio, apenas, porque sofremos um golpe político muito grande, que afetou toda a família. Ali se começou o grande projeto de tomada do país, e pelo poder, do PT, começando pela cidade estratégica, que era Guarulhos. Houve um conluio com o vice e “Judas” do Néfi, e mais alguns empresários da cidade, que assim o tiraram de um pleito legítimo eleito pelo povo.
Isso ocasionou um desgaste muito grande a família, atingindo meus filhos, minha esposa, principalmente meus filhos que estudavam na Faculdade Integrada de Guarulhos, que serviram como exemplo para professores petistas mostrarem quem eram aquelas pessoas que estavam ali, que eram netos de um “larápio”, de um ladrão da cidade, “matador de criancinha”, que assim o colocaram. Mas continuamos lutando sem problemas, porque quem não deve, não teme, não é verdade? Então, esta sina que nos colocaram, nunca desisti disso. Infelizmente, nos anos que ocorreram, por desgosto profundo, o ex-prefeito Néfi Tales, chegou ao seu falecimento.

Ele faleceu em 20 de junho de 2003. Mas para nossa surpresa, nós tínhamos um jazigo no cemitério do Picanço, e chegando lá não pudemos enterrá-lo, porque, é incrível, o PT, o senhor Elói Pietá, tinha cassado a concessão perpétua do jazigo do túmulo do ex-prefeito, do ex-governador, do ex-deputado e de um cidadão guarulhense que tanto desenvolveu a cidade, chamado Néfi Tales.

Por isso a nossa luta continua e não vamos parar! A Justiça vem comprovando que não estávamos errados, tanto que, aquele que nos prejudicou, hoje é o maior exemplo de corrupção do país e em todo o mundo. Estamos trabalhando e vou continuar trabalhando por isso. Não desisto aqui, porque quando o “Judas” do seu vice o traiu, não traiu apenas a família Néfi Tales, traiu a todo o povo guarulhense, que confiou e votou nele. Então tiraram o ex-prefeito no tapete vermelho, num grande golpe político, que está comprovado, inclusive, no nosso site www.nefitales.com.br

Assim, a nossa história está se escrevendo! Fiquei para continuar os trabalhos prestados por ele na cidade de Guarulhos. Assim o farei e assim estou fazendo! A própria Câmara já e ré confessa que errou em sua cassação, naquela grande história de corrupção, onde estavam envolvidos todos os vereadores. O senhor Jovino, que era o “Judas” do Néfi, o vice do Néfi, e o senhor Elói, num grande conluio três dias antes para cassar o ex-prefeito Néfi Tales. Três dias depois ele foi cassado. E nessa reunião, três dias antes, foram colocados pelo próprio vice, o quanto os vereadores queriam de dinheiro e poder para tirar, naquela sessão que o cassou, no dia 23 de dezembro de 2018.

Mas nossa luta continua! Eu continuo aqui! Estamos provando e provamos isso! Agora, tenho certeza que juntos, o povo, nós, a nossa família, nossos amigos, todos aqueles que conheceram e confiaram nele, e esses jovens também que não o conheceram, mas que, com certeza, vão se informar e verão quem foi o ex-prefeito Néfi Tales. Foi um grande homem que Guarulhos teve! O maior currículo político da cidade! Não desmerecendo os outros prefeitos, não! De maneira alguma. Mas foi o maior político que Guarulhos teve, inclusive, em desenvolvimento. Por isso, eu digo que a nossa luta continua e eu vou continuar lutando e mostrando a todos quem são, realmente, os verdadeiros bandidos da nossa cidade de Guarulhos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *